quarta-feira, agosto 31, 2005

É a Hora !



Nem rei nem lei, nem paz nem guerra,
Define com perfil e ser
Este fulgor baço da terra
Que é Portugal a entristecer -
Brilho sem luz e sem arder,
Como o que o fogo-fátuo encerra.

Ninguém sabe que coisa quer.
Ninguém conhece que alma tem,
Nem o que é mal nem o que é bem.
(Que ânsia distante perto chora?)
Tudo é incerto e derradeiro.
Tudo é disperso, nada é inteiro.
Ó Portugal, hoje és nevoeiro...

É a Hora!


Fernando Pessoa in Mensagem

Ao Manuel Alegre de La Mancha

Vivo preso nas malhas dos meus sonhos
Desfeitos,
A lembrá-los.
E, quanto mais esbracejo,
Mais me enredo na trança
Da ratoeira
É que todos eram a maneira
Airosa
De me salvar.
E nenhum consegui realizar,
Nem consigo esquecer.
Virados do avesso, são agora
Uma negra masmorra
De condenado.
Até onde não pude!
Até onde não sou!
A que alturas celestes quis subir!
A que lonjuras ir!
E não subi, nem fui, nem certamente vou.

Miguel Torga in Diário XVI

Não...

Fernanda Câncio:

Vanguarda da civilização seria, isso sim, eliminar o casamento enquanto figura jurídica.

Aquilo que tem por base o amor (pelo menos é o que todos dizem) não deve ser causa de qualquer efeito jurídico. E não seria nada difícil adaptar o Código Civil a este facto.

Triste episódio

O episódio em que o meu caríssimo colega de curso Alberto Martins da Luz se anda a envolver é profundamente patético.

Para quem não sabe: o PSD-Oeiras pediu a impugnação judicial das listas do PSD para os órgãos municipais e das freguesias, por razões formais.

Obviamente, a actual direcção da secção de Oeiras do PSD (no município em questão, o PSD não tem concelhia, mas duas secções - Oeiras e Algés) é afecta a Isaltino de Morais, e está a tentar afastar com pretextos jurídicos nada óbvios Teresa Zambujo da corrida à Câmara.

Considerando que ainda ontem o ex-Presidente da Câmara prometeu a construção de novos centros de saúde, mesmo que o Governo nada faça, tudo isto só significa uma coisa. Isaltino tem na sua posse sondagens que lhe dão uma clara derrota nas eleições e está verdadeiramente desesperado.

Em qualquer caso, estão à vista as guerras do PSD em Oeiras. É a um partido neste estado que os munícipes querem confiar a Presidência da Câmara, em qualquer das suas facções ? Tal consubstanciaria um acto da mais profunda irresponsabilidade.

Não é só no Brasil

Para quem leu a coluna de Eduardo Prado Coelho hoje no Público, informo que o sistema usado no Brasil para carregar o cartão do telemóvel é igualzinho ao utilizado pelo menos na Eslovénia e na Croácia.

Férias Judiciais

António:

Em meu entender, as férias judiciais protegem os direitos e interesses constitucionalmente protegidos dos cidadãos, e não dos agentes judiciários.

Existem para que as pessoas não tenham surpresas desagradáveis que podem ter consequências nefastas. Imagine o António que era citado para responder no dia 2 de Agosto, quando estava de férias, para responder no prazo de 10 dias, e só verificaria a notificação já fora do prazo...

Outra coisa é discutir qual a sua duração.

terça-feira, agosto 30, 2005

O dia de decisão


Com mãos se faz a paz se faz a guerra.
Com mãos tudo se faz e se desfaz.
Com mãos se faz o poema ? e são de terra.
Com mãos se faz a guerra ? e são a paz.


E agora como é ?
É a paz ?
Ou é a guerra ?

Dia de desencontros


O mês de agosto tem consigo os desencontros do verão. Os
dias são longos, e talvez por isso chegamos ao fim deles a pensar que
não houve princípio. Há sempre alguma coisa que falta quando
nos lembramos do inverno. Aí, ao menos, o dia e a noite são o
próprio dia e a própria noite, e não um tempo parado entre fronteiras
de luz e de treva. Mas não sei se terei pensado nisto quando, ao
entrar no café onde ia ter contigo, te vi sentada como se esperasses
que o nosso encontro nunca se desse. Falámos nisso ao telefone: cada encontro
não se dá senão quando não o esperamos. O rosto, volto a dizê-lo, é
a rotina de estarmos juntos. Sei que a preferias. A vida precisa dos
seus instantes calmos, da eternidade de se estar como se pudesse sempre ser
assim. Mas quem espera a morte não sabe nunca se deve adormecer ou não,
se a manhã seguinte não lhe estiver garantida. Tu, em frente da chávena
de café, não precisas de pensar nisso. Vejo-te na rua, sem que me vejas,
e penso se hei-de entrar ou se volte para trás, para que o encontro
que estamos a ter não aconteça. Mas o teu ombro salta de dentro do vestido;
e os teus cabelos tapam o princípio da testa, como se me pedisses que os afaste
dos olhos. É verdade que eu não podia interromper este quadro: o café, onde
havia poucos clientes, e tu no meio deles, impondo a tua solidão mais
absoluta do que todas as solidões que alguma vez sonhei. Quero, então, discutir
contigo a filosofia das tardes de verão; levar-te para o campo, onde te despes, e
te vestes de terra e de ervas; fixar o amor que salta dos teus olhos
para saber o que é, exactamente, o amor. Mas tu olhas-me; e eu
escondo-me. A perfeição não tem nada a ver com estas hesitações. Preciso
que me voltes as costas, e que esperes por mim, como eu espero que tu
esperes por mim. Talvez um dia nos possamos rir de tudo
isto; ou chorar, o que não é nunca
a mesma coisa.

Nuno Júdice in Cartografia de Emoções

Também lá fora, é o DESCRÉDITO !

Na Hungria.

O suposto planeamento central do consumo

Não, BrainstormZ. A Deco talvez tenha dado exemplos menos felizes e a justificação mais absurda, mas tem razão no essencial.

Dando um exemplo prático. Se é justo que o que consumimos nos restaurantes onde almoçamos todos os dias o prato do dia a ?4 ou ?5 seja taxado a 5%, já não me parece que isso deva acontecer relativamente a outro tipo de restaurantes. Porque não há razões sociais que o justifiquem.

Detesto ter que dizer isto mas...

Após ler isto, só me resta dar os parabéns aos juristas do Bloco de Esquerda...

segunda-feira, agosto 29, 2005

The Twenty Million Dolllar Question

Quando é que se vai começar a discutir a possibilidade de saírmos do EURO?

Falências à Italiana

A Visão publicou na sua última edição um artigo sobre o processo de falência da Cooperativa Agrícola do Vale do Sorraia (CAVS - zona de Coruche).

A falência da CAVS tem já uma década, tendo na altura sido polémica, envolvendo algumas figuras conhecidas da nossa praça, como o ex-Ministro da Agricultura Gomes da Silva (aka 'Gomes da Selva' - aquele que queria comer mioleira de vaca para provar que não existia BSE).

Mas o que está em causa agora é mais caricato.

O Supremo Tribunal de Justiça revogou as decisões da 1ª Instância e da Relação e retirou aos 170 trabalhadores a prioridade de créditos sobre a massa falida da empresa, dando primazia à CGD!

Citando a Visão que cita o Acordão, «não fazia sentido nenhum que o credor estivesse garantido pelo seu crédito (...) vendo-se depois confrontado com o reconhecimento legal de um previlégio [dos funcionários], que lesasse a protecção da sua confiança.»

Segundo o mesmo artigo, parece que os bancos, fartos de serem preteridos nestes processos, passaram a encomendar pareceres jurídicos, inspirados no Código Civil Italiano, e que começam a fazer jurisprudência nos nossos tribunais.

Enfim, É O DESCRÉDITO...

Bola de Cristal

Quase que me arrisco a dizer que neste jantar aqui noticiado Manuel Alegre vai declarar a sua intenção de se demitir de militante do PS.

Demagogia e Irresponsabilidade

Esta proposta da Quercus é a prova de que tal associação está tomada por um grupo de radicais.

De facto, todos os automóveis à venda obedecem, nos termos da legislação europeia aplicável, a rigorosos critérios relativos às emissões de gases para a atmosfera.

Critérios esses que tendem a ser cada vez mais rigorosos, de acordo com calendários fixados numa base de bom senso.

Pelo que esta é a explicação que julgo ser a mais correcta: fanáticos. Claro que uma outra perspectiva poderia ligar a proposta a uma tentativa explícita de favorecimento do grupo PSA...

sábado, agosto 27, 2005

Apresentação

Apresentação da candidatura de MÁRIO SOARES a Presidente da República.

31 de Agosto de 2005. Hotel Altis, 18 horas.

Não faltem !

sexta-feira, agosto 26, 2005

Para quem tenha acesso ao Diário da República electrónico...e não só

Leiam este link, e sigam até ao penúltimo parágrafo da página 22.

Num acórdão, Luís Nunes de Almeida assim escreveu:

A lógica do Estado-Providência, vertida na nossa Constituição, assenta na ideia de que os seus benefícios são atribuídos a todos como direitos, e não apenas aos mais desprotegidos como esmolas, numa perspectiva meramente assistencial.

Línguas na Europa

Vital Moreira: felizmente ao nível da União Europeia há vários esforços para não deixar línguas morrer, e inclusivamente, no Reino Unido, o Manx e o Cornualhês estão a viver uma nova vida.

A última língua a morrer na Europa foi o Dálmata, há cerca de 100 anos. E não haverá nenhuma outra em risco sério de desaparecer, assim se trabalhe nesse sentido como se está a fazer.

SONDAGENS - Autarquicas 2005

Caros bloggers,

Para todos os que gostam de sondagens, recomendo a visita ao site da marktest

www.marktest.com/wap/a/p/id~cd.aspx

Aqui encontrarão todas as sondagens divulgadas até 4 de Agosto na Comunicação Social.

Aproveito para dar conhecimento da mini-sondagem no BARREIRO, publicada hoje e que em breve estará disponível no site acima referido.

Sondagem Jornal do Barreiro-IPOM
AUTARQUICAS 2005

PS - 21,4%
CDU - 11,4%
PSD - 4,3%
INDECISOS - 62,9%

Sondagem realizada telefónicamente entre 12 e 17 de Agosto, residentes no concelho, idades entre 18 e 87 anos, com habilitações literárias e profissões distribuidas de forma representativa de acordo com os indicadores do INE.
127 entrevistas - erro 3,2% - grau de confiança de 95%.

Em 2001 os resultados finais foram:
PS - 41% (Presidente PS)
CDU - 40%
PSD - 10%
BE - 2%
MRPP - 2%

Em 1997 os resultados finais foram:
CDU 40% (Presidente CDU)
PS 40%
PSD 11%
PP 2%
MRPP 2%

quinta-feira, agosto 25, 2005

A Embrulhada

É a economia, estúpido !

De acordo com o "Jornal de Negócios" de hoje, o petróleo atingiu um novo recorde histórico.
Em Nova Iorque o WTI era transaccionado a 68 US dólares, enquanto em Londres o "brent" era negociado a 66,3 US dólares.
No início de 2005, a europa pagava pelo "brent" cerca de 30 euros, custando agora cerca de 54 euros ( ou seja, mais 80% ! ).

Estão a ver em que embrulhada é que Portugal está metido, não estão ?

De acordo com o mesmo jornal e com o site da Direcção-Geral de Geologia e Energia, em 25 de Janeiro de 2005 a gasolina s/chumbo 95oct custava 0,997 euros/litro.
Hoje, passados 7 meses, a GALP passou a cobrar 1,249 euros/litro ( aumento de 25% ! ).

Imaginem que faço todos os meses 2.000 kms com o meu carro, que consome uns modestos 10 litros/100kms de média ( por acaso até consome mais... ). Como tal necessito de 200 litros de combustível/mês.
Em Janeiro de 2005 gastava 200 lts X 0,997 euros = 199,40 euros /mês
Em Setembro de 2005 (e caso não haja mais aumento), gasto 200 lts X 1,249 euros = 249,80 euros /mês
Para fazer os mesmos Kms gasto mais 10 contos por mês!

Estão a ver em que embrulhada é que estou (estamos) metido(s), não estão?

FOGO POSTO

Estou no centro do país, rodeado de incêndios.
Os pinheirais em fogo esbraseiam o ar.
Reguei o telhado e o quintal porque as velhas são muitas.
A vizinha cega, sem qualquer progresso, vai tocando o seu órgão Tornado 4.
A irmã apanha velhas, mostra-mas na mão,
apagadas ou parecendo quase,
e fala do carteiro - motorizada aqui,
saco acolá, sapato mais além -
que, presuntivo pirómano, a si mesmo se teria apagado nas águas do Tejo.


O aeroplano da lista vermelha é que semeia o fogo.

Von Richthofen - passe-montanha, óculos à aviador, dentes cerrados -
é que vem semear o fogo no reino do verde pino.

Abatido em 18, resurgiu
com o estampido do guarda-chuva que se abre
e - pano, arame, madeira - ganha altura
para, numa vrille desaparafusada,
vir castigar-nos com sua espada de fogo.

Disse Deus: - Ó aviador, vai-me a essa gente remota
e avia-lhe uns fogos que se vejam!

Polegar para baixo, Von Richthofen
incêndiou milhares de hectares em Portugal.
Sua lista vermelha (laranja? limão?)
é vista com frequência na zona centro do país.

Disse Deus: - Basta. Já sinto calor na cara.

Este, que foi um herói ao serviço do Kaiser
- Cruz da Águia Vermelha.
Cruz da Águia Negra
Cruz de Ferro -,
descer, quando Deus quer, a incendiário de pinhais?

Credo, custa-me a crê-lo!




Alexandre O'Neill, in As horas já de números vestidas

O Debate ontem

Tentando resumir o debate de ontem na SIC Notícias, entre os três principais candidatos a Presidente da Câmara de Oeiras, ele caracterizou-se essencialmente pela derrota em toda a linha de Isaltino de Morais.

De facto, o ex-Presidente perdeu em todas as áreas: acabou por estar permanentemente em auto-justificação relativamente às situações menos claras, a sua postura corporal chegou a roçar o ridículo, teve situações de clara desconsideração pelos adversários, não expôs uma única ideia para o município. E caiu facilmente nas armadilhas que lhe foram montadas. Aliás, a fraqueza da sua candidatura vê-se facilmente nas listas que apresenta, decididamente mais fracas que as do PS e que as do PSD.

Teresa Zambujo mostrou ter preparado devidamente o debate. Foi convincente a desmontar as acusações de que o município parara. Contudo, deu alguma sensação de cansaço físico. Ainda assim, há que referir uma série de indirectas verdadeiramente assassinas relativamente ao seu antecessor.

Por fim, o talvez improvável, mas efectivo, vencedor do debate. Emanuel Martins, um ilustre desconhecido para muitos. Foi ele o responsável por não deixar o candidato pseudo-independente fugir à discussão sobre situações menos claras. Foi ele o único a apresentar propostas efectivas para os próximos 4 anos, onde Teresa Zambujo se limitou a generalidades. Expôs perante todos o que seriam as confusões na Câmara se algum dos candidatos do PSD vencesse as eleições. Demonstrou uma postura de credibilidade, de segurança e de calibre político, bem como que é o homem mais indicado para presidir aos destinos do município.

A não perder os próximos debates !

A não perder

Este post de Luís Rainha.

Tss tss tss

Via Bicho Carpinteiro, fiquei a saber que João Carlos Espada considera negativo um homem não ceder lugar a uma mulher.

O único adjectivo que me vem à cabeça é, obviamente, o de FROUXO !

Então não temos todos direitos iguais ? Uma mulher tem mais direito a estar sentada do que um homem a que propósito ?

Isso faz-me lembrar o que me aconteceu há uns 10 anos no metropolitano. Estava eu sentado, conjuntamente com três mulheres, nos lugares para cidadãos portadores de deficiência, pessoas com dificuldades de locomoção, grávidas e pessoas acompanhadas por crianças de colo.

Apareceu uma senhora precisamente nesta última situação.

Ora, foi ver os olhos das outras três dirigidos para mim, com uma cara de "é você que tem obrigação de se levantar porque é homem". Perante tal atitude de arrogância, obviamente fiz como se não fosse nada comigo. Uma delas acabou por se levantar.

Somos iguais ou não somos ? O que é triste é ver como há quem defenda a assunção de uma posição de inferioridade por parte dos homens!

Os incêndios na televisão

Apenas deixo o link para o brilhante post de Pinho Cardão.

Populismo...

Pelo que ouvi na rádio, o ainda vice-presidente da Câmara do Porto, Paulo Morais, vem colocar suspeitas sobre a actuação de tudo quanto é autarquia local na área do urbanismo.

A sua intenção é óbvia. Aparecer com a reputação de puro e imaculado quando todos os outros são corruptos. E abrir caminho para uma futura candidatura a Presidente da Câmara.

quarta-feira, agosto 24, 2005

Excelente

Ainda que eu não concorde com um dos seus pontos essenciais (considerar que a defesa do perdão de dívida ao Terceiro Mundo é uma causa nobre), a resposta de Maria João Seixas a Helena Matos (hoje, no Público) está verdadeiramente deliciosa.

Ainda os incêndios

Luís:

Acredito firmemente que se um povo não tem orgulho, nada lhe resta.

Sobre o conceito de solidariedade, é ver os comentários a um certo post, que já vão em mais de 40...

terça-feira, agosto 23, 2005

Sabedoria Inflamável



Num País em que, durante o Verão, todos são especialistas em prevenção de fogos, combate aos incêndios (com meios terrestres e aéreos), coordenação de bombeiros, actuação da protecção civil (para além de tudo sobre futebol), por que razão o País arde ano após ano?

Onde fica guardada toda esta sabedoria colectiva o resto do ano?

segunda-feira, agosto 22, 2005

Dez Anos Depois



Durante muito tempo reinou a especulação em torno do principal candidato presidencial à esquerda: António Guterres, António Vitorino, Manuel Alegre e, até, Freitas do Amaral.

Agora que Mário Soares poderá prevalecer como o candidato mais forte, a esquerda (leia-se: o PS), depois de atacada por não ter candidatos credíveis, é agora criticada por não apresentar capacidade de renovação.

Porém, enquanto a esquerda assentava ideias sobre este assunto, do outro lado da barricada houve sempre apenas um nome: Cavaco Silva.

E a tal ideia do (alegre) passeio plebiscitário de Cavaco Silva pela Avenida da Liberdade em direcção a Belém foi vingando.

Cavaco Silva, recorde-se, o mesmo candidato presidencial que a direita apresentou há dez anos, na altura derrotado por Jorge Sampaio.

Para os 'opinion makers' da direita, como Pacheco Pereira ou Marcelo Rebelo de Sousa, isto é perfeitamente normal.

E se Cavaco Silva resolver não avançar?

Qual será a capacidade de renovação da direita?

O SAFARI PORTUGUES

O animal feroz voltou do Quénia.
De volta à savana nacional nada de novo.
Afinal de contas António Costa telefonou-lhe duas vezes (!!!) e disse-lhe que estava tudo na mesma, igual a quando partiu.
E estava mesmo.
O país continua lentamente a arder.
São os incêndios que consomem vastas áreas florestais e agrícolas, que dizimam habitações, que destroem as vidas de gerações. Isto apesar da determinação propalada (!!!) de sucessivos governos no combate às chamas. Os "reis das madeiras" é que gozam que se fartam.
É a seca extrema que já atingiu 75% do território nacional e a continuação de cortes de água em muitos concelhos.
São os fogos na CGD, na GALP, na EDP e na PT que consomem vastas "elites" políticas, escolhidas pela cor do cartão ou pelo parentesco. Tudo em nome da "competência e qualificação".
São alguns pirómanos empresários portugueses com sede de protagonismo que opinam sobre os investimentos públicos, particularmente a OTA, enquanto ainda não se conhece o estudo do impacto económico e financeiro.
São as fagulhas incendiárias entre o dr. Marques Mendes e a dupla Valentim Loureiro/Isaltino Morais, que já não há bombeiro que aguente.
É o rescaldo da história do passe do Miguel, da transferência e do pedido de desculpas ao clube da 2ª circular.

O PS também continua a arder lentamente.
Começaram as operações para evacuar o colonato de Felgueiras, retirando a Comissão Política local o apoio ao candidato do PS.
A sede de protagonismo de Carrilho, dos holofotes e dos flashes fotográficos, levou-o sem apelo nem agravo, a criticar publicamente a escolha do candidato a Presidente da República apoiada pelo PS, demonstrando uma deslealdade com o secretário-geral, e dando a ideia de desnorte dos socialistas que vivem "sem rei nem roque". No dia seguinte, sonsamente, veio desmentir. Para Carrilho, não houve intenções de provocar um incêndio, afinal tudo não passou de um simulacro, de um falso alarme.
No desespero de ver arder a sua candidatura presidencial, tal como ardeu a candidatura a secretário-geral do PS, com a força dos ventos passam, Manuel Alegre, desdobra-se em iniciativas, não entendendo que, como dizia Vital Moreira "Eu conheço pelo menos uma dúzia de pessoas que dariam excelentes presidentes da República. O problema é que, para o serem, precisam de ser eleitos." Com a insistência da sua candidatura agrava fatalmente as divisões no PS e a possibilidade de eleição de um Presidente que una os portugueses. E Alegre se tornou triste.

António Costa tinha razão quando disse que estava tudo na mesma.
Creio mesmo que este país não necessita de nenhum primeiro-ministro e o PS de um secretário-geral.

Eu não te disse, Sergio ?

Uma juíza de Múrcia suspendeu a elaboração da sentença num caso de agressão conjugal, por considerar que a Lei da Violência Doméstica é inconstitucional, dado que considera que ela apenas existe quando é perpetrada por homens sobre mulheres, prevendo penas mais duras do que as usuais.

Para o efeito, pediu opinião ao Tribunal Constitucional sobre a matéria. Parece-me mais que óbvia qual será a decisão deste órgão...se não for nesse sentido é um escândalo.

Defende a juíza, e bem, que não se pode partir do pressuposto de que a violência contra mulheres é uma manifestação de discriminação e das relações de poder dos homens sobre as mulheres. Mas quem mandou o PSOE seguir o feminismo mais idiota ?

Curioso

É extremamente curioso como é que Graça Franco qualifica o yuppismo dos anos 80 como o mais rasteiro dos ateísmos materialistas e passa a vida a defender posições políticas (nomeadamente os vouchers na educação) por ele criadas...

Ah e já agora. Diz a mesma que os participantes no Encontro Mundial de Juventude (cerca de 1 milhão, ao que parece) para lá se deslocaram para rezar. Engana-se, minha cara Graça. Não tenho a menor dúvida de que a grande maioria decidiu ir pelas mesmas razões que levam a grande maioria dos participantes, p.ex., nos Summercamps da ECOSY e nos Festivais da IUSY a lá irem, também por vezes trocando ofertas de visitas a lugares de sonho.

É o convívio com pessoas de diferentes países. O ganhar de experiências. Tudo isso. Que neste caso, sim, é proporcionado pela religião. Como podia ser pela política, pelo escutismo, ou por outra coisa qualquer.

Por fim, alguém pode dizer a Graça Franco que se alguém quer sexo fácil os festivais rock estão MUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUITO longe de ser o local indicado para o encontrar ?

Muito bem

A não perder o que António Costa Amaral escreve sobre a polémica do patrocínio da Liga de futebol.

No que é essencial, tem razão. Ou seja, que a lei relativa ao jogo deveria ser imediatamente mudada e o mesmo liberalizado. Chega dessa mentalidade de que há "dinheiro bem gasto" e "dinheiro mal gasto", típica de um conservadorismo bacoco.

Cada um faz o que quer do seu dinheiro e ninguém tem nada com isso. Liberalização do jogo, já !

Contraditórios

A forma brilhante como Marcelo Rebelo de Sousa distorce a realidade a favor das suas opiniões absolutamente nada parciais, sempre foi um dos atractivos das suas homilias diminicais, antes na TVI, agora na RTP1.

E o requinte dos seus comentários maliciosos costuma conseguir insinuar o que quer, dentro do limite do politicamente correcto e da boa educação.

Mas Marcelo Rebelo de Sousa não gosta de ser criticado - nem tão pouco interrompido.

As considerações que o Professor Marcelo teceu sobre Mário Soares, dirigindo-lhe um ataque pessoal directo e alegando-lhe alguma fraqueza intelectual devido à sua idade ('lapsos'), foi de tal modo baixo que a própria Ana Sousa Dias, na sua pose sempre discreta, não conseguiu disfarçar algum desconforto.

Mas se, para Marcelo, Mário Soares não tem condições para ser Presidente da República, nem tão pouco candidato, uma vez que não aguenta a dureza de uma campanha eleitoral, qual é o problema do Professor?

Já agora, porque não acabar com os comentários individuais de Marcelo Rebelo de Sousa e de António Vitorino, para fazer um programa a sério, com o devido contraditório?

sexta-feira, agosto 19, 2005

Os Afectos na Política



Numa última página do «Público» desta semana, onde Vasco Pulido Valente costuma escrever a sua crónica, aparecia um artigo intitulado «Coscuvilhar é um antídoto contra a tristeza e a monotonia e faz bem à saúde».

Trata-se de estudo de duas jornalistas italianas que defende que:

«A coscuvilhice só traz benefícios à saúde: permite descarregar o stress, ajuda à integração social e faz bem à pele.»
É «um ritual social, melhora o humor e ainda relaxa os músculos do rosto.»
Permite «descarregar a agressividade de um modo saudável.»
É «um antídoto contra a tristeza e a monotonia»
«Tem o mesmo efeito consolador do que comer chocolate ? com a vantagem de que falar dos outros não engorda.»

Não sei qual o efeito que Vasco Pulido Valente experimenta diariamente no seu exercício escrito. O de hoje, «Ou à primeira ou nunca», vem defender que Mário Soares só ganhará as eleições numa 1ª volta e se for o candidato de toda a esquerda.
Se a opinião geral também fosse esta, não seria de admirar que VPV defendesse que «Ou à segunda ou nunca»...

Quem, de acordo com a dupla de jornalistas italianas, devem estar de excelente saúde são os agora 60 apoiantes de Manuel Alegre que se reuniram numa jantarada no Algarve.

O autor de «Cão Como Nós» referiu-se, no seu discurso, aos «donos da República», aos «candidatos providenciais» e aos «afectos na política».

Manuel Alegre passa uma imagem narcisista, cheia de ressentimentos, com uma mensagem cheia de desabafos e avisos, naquele estilo «a mim ninguém me cala!!», continuando a ignorar que uma candidatura presidencial é bastante mais do que uma birra entre amigos.

E nesta mesma semana, Mário Soares deu mais uma aula de política na «Sociedade Aberta» com António José Teixeira, mostrando que contra factos não há argumentos (ou, neste caso, contra argumentos destes não há factos políticos).

Manuel Alegre merecia melhor.

Eurovisão :D

Curioso: a propósito da retirada israelita de Gaza, João Pedro Henriques escreve um post intitulado It Takes 2 to Tango, curiosamente o mesmo título da canção finlandesa de 2004.

Em Istanbul, Jari Sillanpää cantou assim:

Takes 2 to tango
Time to leave, time to feel
Harp and horn, music's born
Two worlds meet
Hungry sharing a fantasy

Tail and wing, soon will swing
Dusk till dawn, let the show just begin
In a place where pardon stand
Giving feast on sacred land

The angels and devils meet at night (Hallelujah!)
They dance, they caress each other holding on so tight
The angels and demons side by side (Hallelujah!)
They dance until morning light
When nobody else is in sight
Takes two to tango, tango

Purified, justified
Times of lust (Times of lust)
Times of trust (Times of trust)
Praising dark
For one moment in paradise

Passion flows, eager grows
Time runs out, it's the end of the show
When the morning is at hand
Time has come to show their stand

The angels and devils meet at night (Hallelujah!)
They dance, they caress each other holding on so tight
The angels and demons side by side (Hallelujah!)
They dance until morning light
When nobody else is in sight
Takes two to tango

Angels falling, hear them calling
Demons rising, they're disguising
Hearts are beating, secret meeting
Just for the moment in love

The angels and devils meet at night (Ha..., ha..., hallelujah!)
They dance, they caress each other holding on so tight
The angels and demons side by side (Ha..., ha..., hallelujah!)
They dance until morning light
When nobody else is in sight
Takes two to tango!


Não acham que tem tudo a ver ?

Ainda ??

Seria muito, muito fácil considerar que os permanentes ataques de Vital Moreira a certos aspectos do português falado na televisão se devem a um elitismo coimbrão e a uma consideração de que o português-padrão é o falado em Coimbra.

Em primeiro lugar, como é constatável através da leitura da História da Língua Portuguesa, de Paul Teyssier, desde o séc. XVIII (pelo menos) que se considera o falar de Lisboa como o português-padrão.

Por outro lado, uma simples consulta a vários sites sobre línguas em geral permite desde logo concluir que uma língua é muito mais rica quando tem vários dialectos e sotaques.

É, portanto, apenas ignorância. Felizmente, Vital Moreira ainda vai a tempo de aprender. Espero que o faça, pois fica mesmo mal a uma pessoa da sua envergadura dizer este tipo de coisas.

A nova moda

Decididamente, a nova moda é encerrar blogs. E, mais uma vez, como sempre em Portugal, uma série de gente faz o mesmo.

Bem dizia o Diário de Notícias que a blogosfera estaria em crise. E pelos vistos tem razão. Os autores de uma série de blogs políticos não resistem ao domínio da blogosfera pelos blogs pessoais. Por muito que o Technorati e os links possam dizer o contrário, estes já dominam a blogosfera nacional há algum tempo.

Ainda se lembram de um post que fiz acerca da arrogância de alguns dos autores desses blogs dizendo algo como: "O meu blog é mais relevante que os blogs políticos, pois escrevo sobre aquilo que sinto" ?

Pois é.

quinta-feira, agosto 18, 2005

A Reforma do Sistema Político

Faz agora pouco mais de dois anos que reuniu pela última vez o grupo de trabalho do Gabinete de Estudos do PS dedicado à Reforma do Sistema Político.

Numa conjuntura significativamente, uma vez que o PS era na altura oposição, Alberto Martins, o coordenador desta área, reuniu-se com quatro militantes (uma deles tinha-se deslocado propositamente de Vila Real de Santo António!).

Alberto Martins esclareceu desde logo que tinha falado aos Deputados e restantes dirigentes do PS que não valeria a pena comparecer a esta reunião, pois tratar-se-ia apenas de fazer o balanço da sessão legislativa que acabava de terminar, e das propostas que o PS minoritário tentou apresentar, sem sucesso.
Sendo um dos presentes nessa reunião, lembro-me perfeitamente de o questionar sobre dois temas: a introdução de círculos eleitorais uninominais e a reforma interna do funcionamento do próprio PS.
Alberto Martins, visivelmente enfadado com o tempo que estava a desperdiçar com aquela reunião, explicou que, a seu ver, nenhum dos temas era relevante para a «agenda política», pelo que, no futuro, seria definida qual a «agenda» para o grupo de trabalho Reforma do Sistema Político.

A conjuntura mudou, o PS venceu as eleições, Alberto Martins foi designado Presidente da Bancada Parlamentar do PS.

Não tenho conhecimento que o grupo de trabalho do Gabinete de Estudos do PS dedicado à Reforma do Sistema Político tenha voltado a reunir.

Assim, foi com perplexidade mas sem qualquer espanto ou admiração, que li no «Público» de 15 de Agosto que a «Criação de círculos uninominais poderá avançar na próxima legislatura», por iniciativa do PS, anunciada por Guilherme D'Oliveira Martins, Vice-Presidente da Bancada Parlamentar do PS.

Conclusão:

Para uma boa Reforma do Sistema Político, em vez de pensar o que reformar, talvez seja preferível começar a decidir quem reformar...

Olho Vivo e Pé Ligeiro

Pondo a «escrita em dia», Eduardo Cintra Torres escreveu na sua coluna Olho Vivo do «Público», em 14 de Agosto, um artigo intitulado «Estamos a governar mal? Então tomamos a TVI».

Para quem ainda não adivinhou o filme pelo título, ECT começa logo por esclarecer que «excluindo o interregno da loucura santanista, nunca um Governo defraudou tão depressa a expectativa da opinião pública e dos media como o Governo de maioria absoluta de José Sócrates.»

Depois de desfiar os seus argumentos, pontua cuidadosamente:
«Sem o apoio da opinião pública, que é uma coisa social bem real, nada etérea, torna-se difícil governar, pois, como escrevi há uns tempos, a opinião pública detêm o quarto poder

Conclusão?
«Perante o seu abismo na opinião pública o que faz o Governo? Tal como o delírio santanista, o Governo Sócrates já começou ao ataque nos media. É o costume: quando não se sabe governar nem enganar as pessoas, toca de culpar os media? e toca de os assaltar. A intervenção do Governo para o eventual controlo da Media Capital pela espanhola Prisa é sintomático.»

Porquê?

«O El Pais, da Prisa, é um jornal totalmente identificado com o PS espanhol.»

«O PS português não tolera a independência da informação da TVI e por isso quer quebrar-lhe a espinha, seguindo o caminho de Santana ao expulsar Marcelo do Jornal Nacional.»

«Ao mesmo tempo, o PS introduziu um submarino no Telejornal da televisão pública, António Vitorino. Como escrevi há um mês, o comentário de António Vitorino é uma fraude. Ele é número dois do PS e é deputado do PS. Não sabemos se terá outros compromissos com o PS ou com pessoas do PS e se é por isso que fala sempre meio envergonhado e com um risinho nervoso

Não sei se ECT mostrou igual preocupação com o encerramento de «A Capital» e de «O Comércio do Porto», e se imputou a saída deste outro grupo espanhol à interferência perniciosa do Governo.

Como os leitores do Descrédito são pessoas inteligentes, tirarão as suas próprias conclusões acerca do ponto de vista de Eduardo Cintra Torres.

Olho Vivo e Pé Ligeiro, Luís Delgado!

Não estás só.


quarta-feira, agosto 17, 2005

Temos homem !

Verifiquem o site Oeiras Tranquila, relativo à candidatura de Emanuel Martins a Presidente da Câmara Municipal de Oeiras.

Curiosamente, o único candidato até ao momento que já expôs claramente as ideias-chave do seu programa.

Ainda a propósito desta campanha para Oeiras que se vai tornar cada vez mais interessante, pois há três galos para um poleiro (pois, não há que subestimar quer o arguido pseudo-independente, quer, principalmente, a presidente em funções), registe-se o agradável aspecto gráfico dos cartazes do CDS, os quais hoje vi pela primeira vez. Por isso, Isabel Sande e Castro merece os parabéns. Longe do aspecto berrante e desagradável dos cartazes do ex-presidente da Câmara, candidato independente do PSD.

Aliás, nunca a escolha foi tão clara. Desenvolvimento ou 4 anos às turras entre dois candidatos do mesmo partido de candeias às avessas ? A única escolha para a estabilidade e o desenvolvimento é a candidatura do PS. E desenganem-se os puristas do costume que venham defender o Bloco: o seu candidato a Presidente da Câmara é o inefável Miguel Pinto, deputado municipal cuja manifesta falta de integridade e desamor pela verdade o fizeram dizer as piores mentiras sobre os vereadores do PS e da CDU, numa assembleia municipal que tentou manipular através do público e que lhe valeu a censura geral das restantes forças políticas representadas: PS, PSD, CDU e CDS.

Votar num partido mais pequeno é estar a contribuir para as guerras internas do PSD/Oeiras. Só há uma escolha responsável para permitir o desenvolvimento: uma mudança tranquila com Emanuel Martins.

Incompreensível

É-me de todo impossível compreender por que razão dinheiros públicos (IPJ) vão financiar a expedição de dois alpinistas portugueses ao monte Shissha Pangma, nos Himalaias...

Centralização ?

Convenhamos, Vital Moreira, que uma eventual integração do CEFA no INA não implica a sua transferência para Lisboa.

Tudo o mais é campanha eleitoral de Carlos Encarnação, certamente preocupado por nenhuma sondagem lhe garantir a vitória, o que não deixa de ser surpreendente para qualquer observador...

terça-feira, agosto 16, 2005

ex-Jugoslávia

Sábado voltei de 11 dias na ex-Jugoslávia, concretamente na Croácia, Eslovénia e Sérvia. Aqui vão alguns comentários:

CROÁCIA:

- A zona montanhosa do Gorski Kotar é um autêntico paraíso por explorar: recomendo-a vivamente, principalmente, para luas de mel e férias a dois;
- Rabac, na Istra, tem o mar mais maravilhoso que alguma vez já vi;
- Rijeka é uma cidade algo confusa;
- Opatija, a riviera croata, tem uns gelados maravilhosos e a metade do preço dos portugueses...e não são os gelados croatas que são baratos;
- o álcool na Croácia não é barato, e há tolerância 0,0 para o álcool ao volante;
- as cervejas Karlova?ko, O?ujsko, e principalmente a istriana Favorit são óptimas, ainda que não tão boas como as portuguesas...o vinho é óptimo também;

ESLOVÉNIA:

- Verde, verde, verde, inclusive Ljubljana;
- mesmo no Verão, os Alpes Adriáticos são insuportavelmente frios à noite;
- a cerveja e o vinho eslovenos são piores que os croatas.

SÉRVIA:

- Acham que Lisboa é confusa ? Beograd é 20 vezes pior;
- Beograd é a modos que um conjunto de várias cidades reunidas, separadas por enormes parques...aliás, na Eslovénia e na Sérvia a actividade preferida deles é irem ao parque, com ou sem piquenique (haviam de ver a reacção da Ivana quando lhe disse que NINGUÉM faz piqueniques em Portugal hihihi);
- a cerveja MB é fraquinha;
- o vinho montenegrino Vranac (que, segundo eles, deve ser bebido "com respeito") é excelente.

Se acham que me estou a esquecer de alguma coisa perguntem nos comentários...eles não vão ler isto porque não falam português, mas os meus agradecimentos:

- na Croácia, ao Alen e aos respectivos pais Zdravko e Jasna, à Ivana, à Sarita, ao Krippa, ao ?arko, ao Bobby (que sabe dizer palavrões em português ahahah principalmente um certo palavrão com AQUELA entoação desesperada hihihi) e à Iva;

- na Eslovénia, à Krista, Tja?a e respectiva mãe, à Maja, ao Sa?o, ao Jernei, à Nina e ao Marko;

- na Sérvia, ao Miroslav e respectiva mãe e à Ivana, sem esquecer a Sandra, a Mina, o Goran e a Maja que fala português eheh :D

Muito bem

De regresso de férias, cabe-me em primeiro lugar concordar a 99% com o que Vital Moreira diz relativamente à hipocrisia do PSD e do CDS quanto ao TGV.

Só não é a 100% porque o TGV Lisboa-Porto parece-me desnecessário...

sábado, agosto 13, 2005

O nacional-bimbismo

A bimbice dos políticos portugueses:

"A escolha do dr. Armando Vara é da minha inteira responsabilidade. Escolhi-o porque conheço pessoalmente as suas qualidades e capacidades."
TEIXEIRA DOS SANTOS DIÁRIO ECONÓMICO, 12-08-05

"É de um elitismo chocante presumir-se que só os licenciados ou doutores são competentes."
IDEM, IBIDEM

Ora façamos um pequeno exercício: se o novo ministro trata o (publicamente reconhecido) incompetente do Armando Vara por Doutor, e nas linhas a seguir explica que ser licenciado não quer dizer competência, em que ficámos? O próprio ministro admite a incompetência do seu escolhido?

Este políticos portugueses estão pela hora da morte...e o que mais me preocupa é a nova geração. Onde apenas muito poucos, muito, mas mesmo muito poucos, se aproveitam.

p.s. - se me quiserem expulsar do blogue, estejam à vontade ; )

quinta-feira, agosto 11, 2005

Dúvidas de uma Tarde de Agosto

No caso da nomeação de Armando Vara para a Administração da CGD, crítica mais contundente que lhe é feita é do género:
«O gajo era um simples balconista quando começou, e agora, após estes anos todos, por ser do PS e amigo do Sócrates, vai para o Conselho de Administração

Agora supunhamos que Armando Vara, em vez de se dedicar à política, fazia a sua carreira dentro da CGD, conhecia entretanto José Sócrates, participava no 'Forúm das Novas Fronteiras' como independente, e era nomeado para Administrador da CGD.
Alguém se importaria com o caso?

Quem conhece os restantes membros do distinto Conselho de Administração da CGD, para além da Celeste Cardona e do Armando Vara?
E se Armando Vara tivesse ido para 'consultor' do BCP ou do BES, alguém se ralava?

Vem este raciocínio também a propósito da célebre reforma às reformas dos políticos. Armando Vara, durante a sua carreira política, já exerceu diversos cargos, desde Deputado a Secretário de Estado.
A opinião pessoal que se tenha dele (negativa logo à partida, só pelo facto de ser um 'político'), é irrelevante para o caso.
Estarão os cidadãos do nosso País dispostos a compensar aqueles que trocam a sua carreira pela 'causa pública'?
Sem esta noção de cidadania, como se poderá alcançar um ponto de equilíbrio e bom-senso?

O que a 'populaça' gostaria, atiçada pelos insaciáveis media, era ver Armando Vara de volta ao balcão da CGD de Bragança, a abrir contas aos emigrantes e a atribuir cadernetas, proibido, é claro, de tocar em notas. Afinal, não deixará de ser um político...

quarta-feira, agosto 10, 2005

Varemos quem tem razão....

Li isto e achei delicioso. Não resisti a colocar aqui:

Não se pode pedir às pessoas
para pagar impostos. Depois
as pessoas perguntam:
Para quê? Para o ordenado
do Armando Vara?
MIGUEL SOUSA TAVARES

TVI, 08-08-05

(obviamente não concordo com a ideia de não se pagar impostos, mas como também discordo em absoluto com a ida do A. Vara para gerir o meu dinheiro, e o de todos os contribuintes)

terça-feira, agosto 09, 2005

Visca Catalunya!!!!!

Meus caros amigos bloggers,

Apesar de estar de férias nao resisti e fui dar uma olhadela ao descredito. Já vi que andam animados: ora temos nomeacoes para a CGD, ora temos incêndios, ora ainda temos o Alegre (será mesmo alegre?) a fazer birra (do tipo: eu vi primeiro, a bola é minha!!!!!)

Contudo, andando voces entretidos com a actividade política aí do burgo, nao resisto a conversar um bocadinho convosco sobre a situaçao política aqui na Catalunya.

Aqui discute-se o Estatut. Um documento que define a natureza da autonomia catala.

O PSC (os nossos camaradas - que dizem que sao companheiros, porque isso de camaradas 'es para los rojos', governam em coligacao com a ERC (Esquerra Republicana da Catalunya - independentistas que chegaram a ser vinculados ao Terra LLiure - a ETA cá do sítio) e a IC - a IU da Catalunya - o PC e os Verdes numa versao mais cosmopolita - ou seja, mais intelectuais e menos operários).

A ERC quer alterar a constituicao espanhola, para poder considerar no Estatut a possibilidade de secessao (grandes malucos hein??) O PSC é contra (o Zapatero também); a IU tenta fazer as pazes.

A CIU (coligacao de centro-direita nacionalista) mete 'leña al fuego'. Nao precisa de fazer compromissos em Madrid (como fazia o Pujol) e a queda da coligacao pode permitir-lhe voltar ao poder. O PP está contra. Contra o quê? Contra tudo e todos.

O PP nao se recuperou do 11-M. Nao assumiu a derrota. Diz mal. Está isolado. Perdeu força no País Basco, perdeu a Galiza, e espera que a Espanha 'va mal'.

Se a coligacao cair, o PSOE perde o apoio da ERC no parlamento em Madrid. Como tem minoria, precisaria do apoio de outro partido para fazer passar o orcamento. Como o PP nao conta so sobra a CIU.

Já viram como a política portuguesa é simples. Ainda assim, esta gente empreende, cria riqueza, cresce muito acima da média europeia, e sempre viveu com questoes desta índole. O desemprego na Catalunya está ao nível do português, o PIB crescerá mais de 3% e a confiança (e alguma soberbia) anda nos píncaros.

Fazer de Barcelona o maior porto mediterrânico; a maior plataforma logística da península; aumentar o investimento em I&D para a média europeia, etc,etc, sao objectivos que se vao colocando. Fizeram os Jogos Olimpicos, o Forum das Culturas, e nao andam a chorar todos os dias os investimentos públicos que o Estado quer fazer.Pelo contrário...querem por Barcelona no Mapa. Querem ser um motor e nao levados ao colo por Madrid.

Apesar de toda conflitualidade têm dois compromissos (que incluem o PP e o PSOE): a política orcamental (0% de défice) e a Seguranca Social (o Pacto de Toledo). Estes aspectos nao sao passíveis de discussao eleitoral. Tudo resto é puro conflito, dia-a-dia.

Ás vezes pergunto-me se os genes sao assim tao diferentes...com tanto casamento com princesas castelhanas e aragonesas nao haverá por aí alguém que dê um impulso neste pantano lusitano (que tenga HUEVOS!!!!!!).


Abs desde BCN

M


Tudo bons rapazes ! (parte II)

De acordo com o "Jornal de Notícias" de ontem, o PS vai apresentar como candidato a PRESIDENTE da Junta de Freguesia de Matosinhos o "camarada" António Parada.

Provavelmente este nome não diz nada a ninguém, ou já nos esquecemos dos incidentes na lota de Matosinhos, a 9 de Junho de 2004, na sequência dos quais o Professor António Sousa Franco morreu.

A Comissão nomeada pelo então secretário-geral do PS, Ferro Rodrigues, para analisar o caso e formada por Almeida Santos (Presidente do PS), Vera Jardim e Jorge Lacão, recomendou a aplicação de sanções a 4 militantes (Narciso Miranda, Manuel Seabra, Domingos Ferreira e António Parada).
A Comissão recomendou a aplicação da sanção de suspensão da condição de militante ao "camarada" António Parada.
Das sanções recomendadas aos 4 militantes a de António Parada foi a mais grave.

Pelos vistos José Sócrates e Francisco Assis resolveram pôr a sanção na gaveta e premiar o "camarada" Parada.
Aguarda-se um pedido de desculpa do Largo do Rato ao senhor Parada pelas injustas recomendações da Comissão e atribuição de uma medalha de mérito pelos serviços prestados ao PS, à política, à democracia e a Portugal.

Depois de Armando Vara eis que chega António Parada.
Cá p'ra mim neste ano não há silly season mas sim stupid season.

segunda-feira, agosto 08, 2005

Tudo bons rapazes !

No jornal Público de ontem, Manuel Maria Carrilho critica as negociatas em empresas municipais.
Segundo Carrilho " Isto é de uma enorme gravidade, antecipa-se quase um mensalão ".
Em causa estava o negócio entre PSD e o PND para as autárquicas de Lisboa: O PND apoiava o PSD/Carmona e como contrapartida o PSD/carmona dava uns jobs ao PND nas empresas municipais de Lisboa.

Este caso é mais um exemplo da decadência dos partidos e das instituições.

Não fica bem a Carmona e muito menos ao PSD esta subversão democrática.
Para não falar da desfaçatez de assumirem na praça pública a venda de lugares, como algo normal, moral e legítimo.
A ideia da pureza imaculada de Carmona é puro Santanismo Satânico.

Não fica bem a Carrilho e muito menos ao PS vestir a pele de cordeiro.
Porque é que Carrilho não fala das nomeações de boys do PS para empresas municipais de Lisboa durante este mandato?
O discurso moralista de Carrilho é pura gelatina política.

quinta-feira, agosto 04, 2005

A Pedra de Roseta

Quem não estava a perceber por que razão Manuel Alegre insiste numa hipotética candidatura alternativa à de Mário Soares, basta ter lido esta semana o artigo de opinião de Helena Roseta no jornal «Público», em nome daquele pequeno inner-circle do poeta.

Para esta meia-dúzia de apoiantes de Manuel Alegre, não estamos a tratar de umas eleições presidenciais em que a esquerda terá de derrotar um candidato chamado Cavaco Silva, mas sim de uma desconsideração entre dois amigos: Soares e Alegre.

Ou seja, Manuel Alegre manifestou o seu desejo de ser Presidente da República. Soares já foi, e logo duas vezes!! Portanto, Soares devia deixar o caminho aberto para Alegre, até porque se trata de um amigo seu. Mas não, eis que tem a infeliz ideia de «atropelar» o amigo (tal como, supostamente já o tinha feito a Salgado Zenha!!!!!!!).

Mas mais impressionante é a convicção inabalável com que este inner-circle defende a candidatura presidencial de Manuel Alegre.
Não é por ser o melhor candidato para o PS ou para a esquerda.
Não é por ter (concerteza) melhor perfil presidenciável que Soares.
E, acima de tudo, não é por ser uma solução vencedora à esquerda.

Para Helena Roseta, Manuel Alegre deve ser o candidato presidencial do PS porque ele quer ser, e porque ela e os amigos querem que ele seja. Se o resto do partido não percebe esta evidência e insiste em apoiar Mário Soares é porque devem estar distraídos ou por serem estúpidos!

Por estas Rosetas e por outras é que a uma certa Esquerda é acusada de arrogância intelectual...

terça-feira, agosto 02, 2005

Chega!

Ora aqui está uma excelente razão para colocar o cartõzinho de militante num envelope, enviá-lo para o Largo do Rato e escrever numa cartinha:

Não obrigado. Não quero mais ser militante do PS!

ARMANDO VARA NOMEADO PARA ADMINISTRADOR DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS