quinta-feira, agosto 25, 2005

O Debate ontem

Tentando resumir o debate de ontem na SIC Notícias, entre os três principais candidatos a Presidente da Câmara de Oeiras, ele caracterizou-se essencialmente pela derrota em toda a linha de Isaltino de Morais.

De facto, o ex-Presidente perdeu em todas as áreas: acabou por estar permanentemente em auto-justificação relativamente às situações menos claras, a sua postura corporal chegou a roçar o ridículo, teve situações de clara desconsideração pelos adversários, não expôs uma única ideia para o município. E caiu facilmente nas armadilhas que lhe foram montadas. Aliás, a fraqueza da sua candidatura vê-se facilmente nas listas que apresenta, decididamente mais fracas que as do PS e que as do PSD.

Teresa Zambujo mostrou ter preparado devidamente o debate. Foi convincente a desmontar as acusações de que o município parara. Contudo, deu alguma sensação de cansaço físico. Ainda assim, há que referir uma série de indirectas verdadeiramente assassinas relativamente ao seu antecessor.

Por fim, o talvez improvável, mas efectivo, vencedor do debate. Emanuel Martins, um ilustre desconhecido para muitos. Foi ele o responsável por não deixar o candidato pseudo-independente fugir à discussão sobre situações menos claras. Foi ele o único a apresentar propostas efectivas para os próximos 4 anos, onde Teresa Zambujo se limitou a generalidades. Expôs perante todos o que seriam as confusões na Câmara se algum dos candidatos do PSD vencesse as eleições. Demonstrou uma postura de credibilidade, de segurança e de calibre político, bem como que é o homem mais indicado para presidir aos destinos do município.

A não perder os próximos debates !

22 Comentários:

Às 25 agosto, 2005 20:25 , Blogger Tonibler disse...

Cá o pessoal da linha já conhece bem para que servem os espantalhos do Coelhone.

A próxima vez que o PS ganhar umas eleições autárquicas por estes lados será lá para 2150, por melhor que seja o candidato...

 
Às 25 agosto, 2005 21:14 , Blogger Pedro Sá disse...

Tonibler: qual linha ?

 
Às 25 agosto, 2005 22:23 , Blogger Tonibler disse...

A mesma linha por onde o Coelhone andou a empandeirar um judas...Não a linha onde espetou uma edite

 
Às 25 agosto, 2005 23:23 , Blogger Pedro Sá disse...

Tonibler está muito mal informado...não vou alargar aqui o assunto mas qualquer pessoa bem informada sabe realmente o que se passou em Cascais...

 
Às 26 agosto, 2005 09:24 , Blogger Tonibler disse...

Depende do que considera bem informado...Bem informado como o Don Coelhone e o Umberto? Ou bem informado como o próprio judas?

 
Às 26 agosto, 2005 09:59 , Blogger Pedro Sá disse...

Bem informado como o próprio Judas. E não meta o Coelhone onde ele não é chamado...

 
Às 26 agosto, 2005 10:42 , Blogger Tonibler disse...

Foi o judas que mandou construir a EN 6-7 paralela a uma estrada que já existia, que obrigou ao desvio do curso de uma ribeira para desalocar terrenos à REN?? As câmaras agora fazem estradas nacionais?

Quem mandou retirar a confiança política ao judas quando mandou o projecto da Alves Ribeiro à assembleia municipal onde sabiam que ia ser reprovado (graças à presidente da junta de Cascais que até era do PS) e no dia seguinte mandou as finanças às canelas do desgraçado, quando o homem já tinha dito tudo há 4 anos??

Se calhar é melhor informar-se das movimentações do seu próprio partido. Digo eu...Por isso é que quando o Coelhone quer candidatos na linha só lhe saiem emanueis (que se é quem eu penso, é mais um desgraçado que se deslumbrou...)

 
Às 26 agosto, 2005 11:08 , Blogger Pedro Sá disse...

Interessam aqui os 2º e 3º parágrafos.

Posso assegurar-lhe que o Jorge Coelho não tem rigorosamente nada a ver com retiradas de confiança política a José Luís Judas. Foram questões internas do PS/Cascais.

Quanto às finanças, a questão é muito mais absurda do que possa parecer. Por razões de decoro com quem me contou, em tempos, a verdade dos factos, não a divulgarei aqui.
Mas o que é um facto é que o que se passou não foi nenhum acto de corrupção nem nada que se pareça.

3. É tão desgraçado e está tão deslumbrado que ganhou claramente o debate a 3...quero ver a quantidade de deslumbrados no dia 9 de Outubro quando ele for eleito Presidente da Câmara...

 
Às 26 agosto, 2005 11:29 , Blogger Tonibler disse...

Sim, vamos ver se ganha os gajo do BE...
Espero ver um post dia 10 de Outubro sobre esta conversa.

Porque é que interessam só os 2º e 3º parágrafos? Porque foi o Coelhone que enfiou a EN6-7?

Corrupção? Palavras suas. O que eu disse é o judas já tinha falado publicamente das empresas off-shore da esposa várias vezes nos 4 anos que precederam estes episódios. E que as finanças vão-lhe às canelas dois dias depois da urbanização da Quinta do Ingleses ter sido chumbada em AM e 2 dias depois do Umberto Pacheco lhe retirar a confiança política. Corrupção, trafulhice, maningância, esquema, mãozinha, tráfico de influências, chame-lhe o que quiser...Quando a Alves Ribeiro viu os seus interesses lesados, lixaram o judas. E o movimento foi central, não foi local.

Esse enorme vitória do povo sobre um partido político ficará para sempre na memória das populações circundantes e nunca mais esse partido político ganhará umas eleições locais por esta bandas. Pelo menos enquanto os partidos políticos encararem as autarquias como um esquema de franshising da trafulhice.

 
Às 26 agosto, 2005 11:36 , Blogger Pedro Sá disse...

1. Não vamos comparar o PS com partidos pequenos.

2. Desconheço a questão da estrada nacional e é irrelevante para o efeito.

3. É que não tem nada a ver com as off-shore da esposa (das quais é a primeira vez que ouvi falar).

4. Esse chumbo da urbanização da Quinta dos Ingleses foi dos maiores disparates que alguma vez já vi.

5. Mas por acaso acha que em DOIS dias algum procedimento desses avança ? Em que mundo é que vive ?

 
Às 26 agosto, 2005 12:22 , Blogger Tonibler disse...

1. Porquê, se o PS é de facto um partido pequeno na zona?

2. Não entendo como desconhece a questão da estrada e depois faz juízos sobre tudo o resto. Então não era 'minimamente informado' e desconhece a questão da estrada???

3. Mas as finanças atacam o judas devido às off-shores. Mas estamos a falar do mesmo judas????? E das mesmas finanças?? Esse foi o argumento apresentado pelas finanças na altura.

4. Foi o resultado da luta de milhares de pessoas contra um partido político e contra os interesses que servia. Disparate? Os munícipes não acharam e à conta disso o PS é um partido residual na zona. Ah, já agora, a urbanização só era possível se a estrada cortasse a quinta do ingleses, que estava classificada. Para tal, havendo uma estrada paralela (a 10 metros!) que une exactamente os mesmos pontos, foi necessário desviar um curso de água. Devem ser os 300 metros mais caros da história de portugal, possíveis graças ao Sr. Ministro das Obras Públicas, Don Coelhone.

5. Pois, é por saber que não é em dois dias que me faz perceber em que mundo é que vivo...


Acho curioso. Se um pato bravo anda de mercedes e declara o ordenado mínimo é um ladrão. Um partido político gasta milhões de contos sem se saber de onde vem o dinheiro e ainda tem adeptos. Notável....

 
Às 26 agosto, 2005 13:12 , Blogger Pedro Sá disse...

1. Se partido pequeno na zona é aquele que ganhou 3 das 4 últimas legislativas no concelho e é desde 1989 o segundo partido autárquico, vou ali e já venho.

2. Porque a questão da estrada é irrelevante, ou pelo menos não essencial, para as guerras em questão.

3. Foi devido às off-shores ? Não me recordo disso, embora não possa ter certezas. Mas a realidade está longe de ser essa.

4. O que disse em 1. vale, com as devidas adaptações, para aqui. Caso continue a insistir, de facto a sua concepção de democracia é altamente discutível.

5. E o que é um facto é que a ligação Marginal-A5 é fundamental em termos de acessibilidades.

6. Por essas e por outras é que acho profundamente hipócrita a Lei do Financiamento dos Partidos. Quem tem razão na matéria, por incrível que pareça, é o dr. Alberto João Jardim...financiamento livre mas com obrigação de publicidade através dos meios adequados.

 
Às 26 agosto, 2005 13:51 , Blogger Tonibler disse...

1. Só quer dizer que só há um partido grande, não que alguém com 12% é grande.

2.Quais guerras em questão??? Eu estou a falar de um esquema altamente manhoso que uma população inteira sofreu, montado e gerido centralmente.

3.Das realidades desconhecidas não posso dizer nada. A mulher já tinha off-shores quando ele casou (perfeitamente lícito), toda a gente sabia disso (e ninguém tinha nada que ver com isso) e as finanças foram-lhe às canelas por causa disso. Se havia mais...

4. Na minha concepção de democracia não cabem partidos que são eleitos por uns para receberem de outros e decidirem em função destes últimos. Chamem-me esquisito por achar que isso constitui uma violação de confiança e do princípio básico da soberania popular...

5. É. E que tem 4 ou 5 troços e que o que está em causa estava coberto por uma estrada que já existia há 40 anos. E esse é o argumento de defesa do Isaltino, da Felgueiras, do Torres... Roubou, mas fez obra...

6. Eu também acho profundamente hipócrita o limite de velocidade de 120 nas autestradas, mas o chato do polícia não me larga. Acho profundamente hipócritas os impostos sobre o rendimento, mas as finanças não. Vale de Judeus está cheia de sujeitos que acham profundamente hipócrita que hajam tamanhos ladrões e os presos são eles. As regras, feitas pelos próprios, são as que existem. Boas ou más, são para cumprir. Não para lhes chamar hipócritas e andar tudo no gamanço.
Mas o que está em causa não é financiamento de partidos. Financiamento não é isto. Isto é compra e venda de favores.

7. A Felgueiras está acusada de financiamento ilegal de partido. Onde está o partido ilegalmente financiado? Foi o Partido Socialista de Felgueiras Que Não Tem Nada Que Ver Com o Outro???

 
Às 26 agosto, 2005 13:57 , Blogger Pedro Sá disse...

1. 12% ? Mas em que mundo é que você vive ? Vá aos sites da CNE e do STAPE e veja os resultados...Corrigindo...quem é que lhe vendeu essa dos 12% ?

2. Guerras, repito. E sei que foi isso que existiu.

3. Não, não é nada de que Judas possa ser acusado.

4. Não desconverse. Sabe perfeitamente ao que me referia.

5. Ao contrário de outros, nunca existiram fundadas suspeitas sobre José Luís Judas. E você sabe disso.

6. Se o problema é esse, se a lei não mandava tornar pública a proveniência do dinheiro, logo ninguém tinha nada a ver com isso, por esse raciocínio.

7. Essa acusação relativa a Fátima Felgueiras é profundamente falsa, e não tenho a menor dúvida de que será absolvida relativamente a esses factos.
Quanto aos restantes (os relativos ao futebol) já não tenho tanta certeza disso, ainda que eu acredite na respectiva inocência.
O que não quer dizer que esteja solidário com a respectiva candidatura independente. Bem pelo contrário.

 
Às 26 agosto, 2005 17:53 , Blogger Tonibler disse...

1. Já vi não são 12, são 23 e 29. Excitação...Assim já é grande...

2. Lá o que aconteceu dentro do PS estou-me nas tintas. O que aconteceu de facto foi uma população contra um partido.

3.é disto que me lembro. ah e de uma ninharia qualquer de se esquecer de entregr o irS..

4. Mas foi isto de facto que aconteceu.

5. Como não quero saber dos outros, aquilo que toda a gente percebeu foi que era demais para o judas porque envolvia Obras Públicas e Ambiente. Nunca ninguém suspeitou do judas, toda a gente suspeitou do PS...

6. Os partidos têm que apresentar contas como toda a gente. Falsas, mas isso é outra história de como quem pretende governar o país são exactamente aqueles em que não se pode confiar. Sim, parte com confidencialidade, parte sem. Como toda a gente.

7. Falsa ou verdadeira, a Felgueiras está acusada e o PS não.

 
Às 26 agosto, 2005 19:09 , Blogger Pedro Sá disse...

1. Exactamente. É grande.

2. É curiosa essa demagogia permanente da direita. Como o partido visado de esquerda, é logo "a população contra o Partido". O PCP não faria melhor.

3. Exactamente. O que sei é relativo à história do IRS.

5. Não se deve é meter os diferentes níveis do PS no mesmo saco.

6. Que seja como toda a gente não acho mal nenhum.

7. Sem dúvida.

 
Às 26 agosto, 2005 20:33 , Blogger Tonibler disse...

2. Oh Sá, mas acha porventura que quando as pessoas se vêm afectadas daquela maneira se preocupam se o partido é o PS ou o PNR? No caso em concreto era o PS, mas pode ter a certeza que se fosse outro era outro. Agora, que o PS, pela sua composição social é mais 'dado' a este tipo de porcaria, isso é. Mas parece-me que foi em Salvaterra de Magos que um caso semelhante com o PSD ocorreu.

3. Mas isso foi a história de que a mulher se tinha esquecido, não foi? Isso passou por ninharia, não sei se era mais complicado ou não...

5. Um partido político em Portugal funciona em franshising. O master franshiser dá a marca, a publicidade, algum apoio os negócios locais. O franshisado faz o seu negócio, manda uma percentagem ao master
e colabora nos negócios nacionais.
Um esquema destes, como o esquema do Abano, como vários por esse país fora, não envolve um nível. Como disse tinha que envolver a câmara, as obras públicas e o ambiente. Eu não confundo, vejo bem em que níveis anda.

 
Às 26 agosto, 2005 21:40 , Blogger Pedro Sá disse...

2. Seja lá como for. E o PSD nunca foi poder em Salvaterra.

3. Foi bastante mais...pouco usual.

5. Eu nem vou comentar a forma como qualifica a política local. Junte-se a MST que estão bem os dois juntos.

 
Às 26 agosto, 2005 23:46 , Blogger Tonibler disse...

Então não foi Salvaterra. O caso foi público, a câmara transferia dinheiro para o PSD via contas em nome do José Luis Arnaut. Parece suspeito não é? À partida diria que o Ps, o Pc, o BE iriam armar o maior granel com isto, não era?

Nem pio. Nem chamaram ninguém ao parlamento, nem foram para a televisão dizer que era o quero-posso-e-mando, nem o Louçã andou com os putos às costas. Nem um pio.

O esquema é comum a todos. No PSD é o sec. geral, no PS lá tem outro nome qualquer. Olhe, pergunte ao seu sec geral e nosso PM, que ele sabe bem...

Espero bem que a Felgueiras ponha a boca no trombone, vai ser lindo.

 
Às 26 agosto, 2005 23:47 , Blogger Tonibler disse...

Então não foi Salvaterra. O caso foi público, a câmara transferia dinheiro para o PSD via contas em nome do José Luis Arnaut. Parece suspeito não é? À partida diria que o Ps, o Pc, o BE iriam armar o maior granel com isto, não era?

Nem pio. Nem chamaram ninguém ao parlamento, nem foram para a televisão dizer que era o quero-posso-e-mando, nem o Louçã andou com os putos às costas. Nem um pio.

O esquema é comum a todos. No PSD é o sec. geral, no PS lá tem outro nome qualquer. Olhe, pergunte ao seu sec geral e nosso PM, que ele sabe bem...

Espero bem que a Felgueiras ponha a boca no trombone, vai ser lindo.

 
Às 27 agosto, 2005 05:57 , Blogger Pedro Sá disse...

Não o vai fazer porque nada disso existiu.

Repito, a ter existido alguma coisa isso foi relativo ao futebol.

 
Às 03 fevereiro, 2007 21:52 , Anonymous Anónimo disse...

Looking for information and found it at this great site... »

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial