terça-feira, outubro 31, 2006

Surpreendente

João Pedro Freire não deixa de me surpreender.

Relativamente ao texto linkado, há que fazer os seguintes comentários:

1. Chamar norte-coreana à realidade interna de um partido político só porque o líder é eleito por uma margem destas (ainda por cima sendo Primeiro-Ministro) é um disparate enorme. Começa desde logo pelo facto de, muito naturalmente, à partida não haver mais ninguém interessado em disputar a liderança. Depois os militantes expressaram livre e conscientemente a sua escolha. Agora alguém por não ter adversários é kimilsungiano ? No caso concreto, revelador de reais problemas seria a apresentação de outras candidaturas e/ou a eleição de muitos delegados por parte das outras moções globais. Em rigor, de uma delas, já que a moção de Fonseca Ferreira não se apresenta contra nada nem contra ninguém.

2. E facto é que a grande maioria dos militantes do PS se revê na estratégia de governo. Factos são factos. Reeleger-se assim um líder do partido no Governo é isso que significa. Na oposição, ou por ausência de alternativas credíveis ou por concordância com a estratégia seguida.

3. Escusado será dizer que chamar a algo plebiscito só por causa de um resultado democraticamente apurado só prova algo: preconceito. E diga-se, aqueles que muito gostam da discussão e do debate como objectivo nunca chegam a lado nenhum. Não apresentam soluções e, pior, não ganham eleições. Nunca se deve esquecer que sem poder é impossível servir.

4. Só quem não quer ver é que não constata que toda a contestação está a ser absolutamente orquestrada pelo PCP através da CGTP. Sem prejuízo de queixas que alguns tenham, toda esta manipulação é grosseira. O PCP, de facto, aprendeu com Durão Barroso que uma mentira contada muitas vezes pode tornar-se verdade aos olhos do público.

5. Quanto à participação eleitoral, até admira que quem é militante há tantos anos faça um comentário tão ignorante. Já se sabe como é que as coisas funcionam: se há guerra vai muito mais gente votar, por todas as razões que são óbvias.

10 Comentários:

Às 31 outubro, 2006 15:13 , Blogger Rui Pedro Nascimento disse...

1. Chamar norte-coreana à realidade interna de um partido político só porque o líder (ainda por cima sendo Primeiro-Ministro) é um disparate enorme

Está visto que fazes parte dos 2,tal % que votaram não :)

 
Às 31 outubro, 2006 16:50 , Blogger Pedro Sá disse...

Sabes que não :P

 
Às 01 novembro, 2006 12:53 , Blogger Tribuna Socialista disse...

Caro Pedro,

Achas mesmo que é um "facto" o apoio dos socialistas à actual política governamental?

Sai um pouco da redoma em que pareces estar para veres de uma forma mais independente a realidade...

 
Às 01 novembro, 2006 20:57 , Blogger Pedro Sá disse...

Não acho. Tenho a certeza. Só meia dúzia de gente lírica e de outros mais interessados em interesses corporativos que nos nacionais são a excepção.

 
Às 02 novembro, 2006 18:08 , Blogger Tribuna Socialista disse...

Ah, Ah ... também já engoliste a cassete?!?!...

Pelos vistos haverá algumas "meias dúzias" de milhares de gente lírica ...

Porque é que Sócrates e a sua direcção neo-liberal não organiza uma Conferência Nacional de Militantes do PS - ABERTA a todos os militantes - para se explicar, analisar e discutir políticas governamentais ?

 
Às 02 novembro, 2006 21:41 , Blogger Pedro Sá disse...

1. Já cá faltava a cassette de que todos que não sejam extrema-esquerda ou alegristas ou afins são neoliberais.

2. Mas a que propósito é que haveria de organizar algo que não está estatutariamente previsto ? E a que propósito é que, como decorre das tuas palavras, teria a obrigação de o fazer ? O Partido tem órgãos próprios !

 
Às 04 novembro, 2006 16:39 , Blogger Tribuna Socialista disse...

Não deves ser MILITANTE! Deverás ser certamente polícia das normas partidárias ... dos tais que têm levado o PS parfa caminhos estranhos, muito diferentes daqueles que o construiram!

 
Às 04 novembro, 2006 21:43 , Blogger Pedro Sá disse...

Sem querer comentar o desconversar mais que óbvio neste último comentário, não posso deixar de reparar que tenho na carteira um cartão que confirma que sou militante desde 1994...e com quotas pagas até Dezembro de 2006 !

Nem que as normas são para serem respeitadas. Infelizmente há quem adore todo e qualquer tipo de anarquia e de anomia !

 
Às 06 novembro, 2006 21:45 , Blogger Tribuna Socialista disse...

Fui militante do PS desde 1975 até 2005 ... depois não aguentei mais a "dinâmica" (!?) sócratica ... no partido e no governo!

Anoto o teu horror a quem não cumpre as normas e que logo apelidas de "anarquia"!!!

Cá para mim tens mais pinta para comentador de eurofestivais do que para "militante" (!) do PS ...

 
Às 07 novembro, 2006 17:05 , Blogger Pedro Sá disse...

Anoto o teu horror ao cumprimento das normas. Isso sim.

E entre os dois, está visto quem é que sabe o que deve ser o PS. Eu, que ao contrário de ti sou militante dele. Ponto.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial