quarta-feira, julho 20, 2005

Inevitável

O 1º Ministro fez o que lhe competia e demitiu Campos e Cunha.

Se não o fizesse, corria o risco de ver as suas decisões postas em causa nos jornais pelos mais diversos membros do Governo.

Pensar que a demissão de Campos e Cunha põe em causa a política económica e financeira do Governo apenas dá razão aqueles que consideravam o ex-Ministro das Finanças acima de todo o Governo.

E foram estes que permitiram a Campos e Cunha achar natural escrever aquele artigo no «Público», subscrito e explicado pelo próprio no dia seguinte em plena Comissão Parlamentar, como se dúvidas houvessem.

Afinal ainda há alguma esperança de um dia vivermos num País a sério.

Esta é a CRÉDITO...

7 Comentários:

Às 21 julho, 2005 00:20 , Blogger André disse...

A versão que corre é de que foi ele que pediu a demissão. Mas eu ficaria mais satisfeito se realmente tiver sido o Sócrates a demiti-lo.

 
Às 21 julho, 2005 01:03 , Anonymous elisiario figueiredo disse...

Foi ele que pediu a demissão, e porquê? Porque não quer ter participação no descalabro deste pais.

Convém dizer que este governo e o governo do Durão Barroso, têm a mesma forma de governar, só com uma diferença o governo de Sócrates com um pouco mais de demagogia.

 
Às 21 julho, 2005 01:04 , Anonymous elisiario figueiredo disse...

Convem dizer que, por enquanto, sou militante do PS desde 1974.

 
Às 21 julho, 2005 09:37 , Blogger Pedro Sá disse...

Não tenho a menor dúvida de que Campos e Cunha foi chamado a S. Bento e que Sócrates lhe disse: "Ou você demite-se invocando motivos pessoais ou é demitido - escolha".

Um Ministro não pode contrariar o Primeiro-Ministro. Em qualquer caso, Teixeira dos Santos terá que ser tão ou mais rígido que Campos e Cunha com as finanças, ou a credibilidade do Governo pode ficar em causa.

 
Às 21 julho, 2005 11:58 , Blogger Monsenhor disse...

Meu caro Mário Garcia,

Antes de mais: o nosso almoço é para quando? Para a semana. O JCF já me perguntou várias vezes...

Quanto ao inevitável...concordo. Mas...há dois aspectos importantes, sobre os quais é necessário reflectir:

1. Conhecia o Prof. Campos e Cunha o programa eleitoral do PS? Se sim, considerou que o PM teria face à OTA e ao TGV a mesma posição que em relação ao aumento dos impostos?

2. Deu o PM alguma garantia extre eleitoral ao Prof. Campos e Cunha? Se não deu....eu começo a perceber o cansaço do PM.

Fico contente, apesar da minha admiração pelo AG, por saber que este PM não toma chá em Seteais...

Abs,

M

 
Às 21 julho, 2005 16:09 , Blogger Freddy disse...

Começa a Queda de Roma...O senhor q se segue, por favor...

Abraço da Zona Franca

 
Às 21 julho, 2005 16:19 , Blogger Monsenhor disse...

A Queda de Atenas...afinal estamos a falr de Sócrates...

M

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial