segunda-feira, setembro 17, 2007

Estado laico

Algumas notas sobre este post:

1. De facto Portugal não é um Estado confessional. Se em representação do Estado, nenhum titular de cargos públicos deve fazer qualquer tipo de manifestações religiosas. O que obviamente não se aplica à sua vida particular.

2. Ainda me lembro do absolutamente inaceitável comportamento do actual Presidente da República quando era Primeiro-Ministro e em representação oficial, tendo ido ao Vaticano e ajoelhando-se perante o respectivo Chefe de Estado. Não há qualquer tipo de diferença entre a genuflexão face ao Papa e face, p.ex., ao Rei do Malawi, ou ao Presidente de Samoa.

3. Evidentemente que qualquer representante do Vaticano deve ser recebido nos termos gerais.

4. Na realidade não sei o que será pior. Se uma ocupação estrangeira se uma autocracia teocrática.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial