terça-feira, novembro 16, 2004

O 'Alto Astral'



Depois de domingo ouvir o discurso (de 1 hora) de Santana Lopes no encerramento do Congresso de Barcelos, confesso ter ficado surpreendido. Que Santana Lopes consegue falar o tempo que quiser sem dizer absolutamente nada, não é novidade. Que o faça num momento solene que é o encerramento do Congresso onde é finalmente eleito líder do PSD, é que é verdadeiramente espantoso, quando se esperaria efectivamente um discurso a marcar uma etapa e virado para o País que (infelizmente) governa.

José Vítor Malheiros comenta deliciosamente este momento de 'Alto Astral' de Santana Lopes no Público de hoje, no que eu não resisto a reproduzir aqui, quase na íntegra:

«"Eu quero que o país vá subindo no seu astral!" Estas palavras de Santana Lopes, proferidas do púlpito no discurso de encerramento do último congresso do PPD-PSD-PSL, são o que se chama um grito de alma. Não é "Cogito ergo sum", nem "I have a dream", mas cada nação produz o que produz. No nosso caso é mais bolos.

(...) Outro primeiro-ministro poderia ter falado de brio, de projecto, de ânimo, de sonho, de ambição, de futuro, de trabalho, de empenhamento, de desafio, mas Santana sabe falar ao povo na sua própria língua e saiu o astral!
Mas não se pense que saiu por acaso. O astral presta-se mais à banha da cobra do que o projecto e até do que o sonho, porque o astral não depende nem do trabalho (lagarto, lagarto), nem do desejo, nem sequer de nós. Só depende dos astros, dos deuses, dos alinhamentos siderais, dessa coisa etérea que é a coisa nenhuma. Nem é preciso querer, astral é astral, acontece à gente sem a gente querer. Além de que o astral é sentimental ("Me liga!"), tem a ver com destino, com coisas escritas nos céus com pozinho de estrelas e não exige nenhum mas nenhum esforço. Astrau é assim mesmo! Como se faz para melhorar o astral? Incríveu! Você não sabe? Relaxe! Nada melhor para o astrau! Não sabe como? Beba uma caipirinha. Duas!

O astral é ainda melhor do que a Nossa Senhora de Fátima (Paulo Portas foi definitivamente ultrapassado), porque é mais moderno, não fere susceptibilidades e não acarreta nenhuma obrigação. A Nossa Senhora é uma mãe severa que persevera, mas o austral é uma boa. A Nossa Senhora estava bem para os tempos de austeridade, mas a austeridade já era. Agora é o astral.
Desvendado o astral percebemos melhor o novo símbolo do PSD-PPD-PSL: é um satélite a ser colocado em órbita, em direcção aos astros, uma espécie de guerra das estrelas, mas para criar alinhamentos de Mercúrio com Vénus, para fortalecer o astral. Será que José Sócrates já percebeu que a sua ideia das novas fronteiras acaba de lhe ser roubada mesmo debaixo do nariz?

Depois do astral já percebemos porque é que a palavra de ordem do primeiro dia do congresso era "verdade" e a do segundo dia "confiança". É que, quando se prega a verdade, o povo pode ficar com ideia de que tem direito a alguma coisa e até pode começar a fazer perguntas, mas com a confiança não há riscos. Confie! Não pergunte, não diga, não duvide! Suba o astral! Relaxe. Deixe tudo na mão do PSLPSDPP. Beba mais uma caipirinha. Me liga!
»

Tendo em consideração a fasquia que foi colocada a José Sócrates no Congresso do PS, onde não bastava que assumisse claramente a liderança da oposição, com um projecto para o PS criar uma alternativa de governo, mas em que lhe foi exigido que anunciasse desde logo as medidas concretas que queria implementar no País... (e sem teleponto?)


0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial