sexta-feira, fevereiro 27, 2004

Ainda a petição europeia

Nos comentários a um post no seu blog sobre este mesmo assunto, Daniel Oliveira tece duas considerações que urge corrigir.

1. Como já dissera, o facto de um imigrante não ter a cidadania de um dos Estados-membros não lhe retira os restantes direitos, os quais possui em igualdade com os dos cidadãos europeus. Nunca é um cidadão de segunda: quem imigra para outro país, sabe que não possuirá direitos políticos, salvo se solicitar, após um certo prazo, a naturalização; como normalmente pode deter dupla nacionalidade, é apenas uma questão de opção; aos filhos de imigrantes que nasçam ou desde cedo residam no país de acolhimento é ainda mais fácil consegui-la.

Consagrar o objectivo defendido na petição não teria assim qualquer efeito útil. Salvo se os defensores do politicamente correcto considerem um drama alguém ter dupla nacionalidade.


2. Pior: para Daniel Oliveira, não existe democracia em Portugal. Ele assim o diz.

Portanto, das três uma:

a) ou retira essa sua afirmação;

b) ou em seu entender democracia é algo reconduzível às ditaduras de matriz soviética ou a um nebuloso e macabro regime de governo dos autoproclamados "novos movimentos sociais", também ele soviético por natureza;

c) ou cora de vergonha.

E sim, é verdade, Daniel Oliveira e o seu partido são de extrema-esquerda.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial