sexta-feira, junho 02, 2006

Plano Nacional de Leitura

Um perfeito disparate. Uma perda de tempo e de dinheiro. Lê quem quer, quem não quer não lê.

Pior, como previsível, todo o plano está baseado na ridícula lógica de identidade entre leitura e leitura de ficção, uma das piores heranças do Renascimento e do Século XIX.

É tão leitura ler A Bola como um Prémio Nobel qualquer.

Salve-se uma coisa: a lucidez de Paulo Feytor Pinto, da Associação de Professores de Português (via PÚBLICO, link indisponível), que explica em linguagem clara as opções correctas dos actuais programas. A língua está muito longe de se reduzir a literatura !

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial