sexta-feira, outubro 01, 2004

A desilusão espanhola

Zapatero é uma enorme desilusão.

Leiam este excerto da entrevista que deu ao Público:

O que quero é que o meu país seja conhecido no mundo como um país que luta pela paz, um país solidário que contribui para o desenvolvimento dos países mais pobres.

Nesta frase estão duas ideias absolutamente condenáveis:

- prioridade máxima à ajuda aos "pobrezinhos", o que no mínimo é uma monstruosa falta de respeito perante os seus eleitores, dentro de uma lógica bacoca de que os países mais desenvolvidos têm de sustentar e de ajudar os mais pobres, ainda por cima paternalista;

- um desejo de reconhecimento pelo pacifismozinho, ainda que tenhamos que dar o desconto a afirmação tendo em conta o contexto iraquiano.

Ou seja, está ali plasmada aquela que é a mentalidade clássica dos socialistas portugueses em particular e da esquerda portuguesa em geral, a qual tem que ser rapidamente transformada (Jorge Coelho é, aliás, um grande precursor dessa transformação).

E ela é a que ser de esquerda é ser bonzinho e dar a outra face quando nos batem. Exemplo clássico: o PSD governamentaliza a RTP, e o PS quando vai para o Governo não o faz. Se é um facto que é lamentável que o PSD o faça, o PS não pode ser anjinho, sob pena de lhe ser mais difícil o acesso ao poder, e logo de concretizar as mudanças sociais e económicas a que se propõe.

Não tenho dúvidas de que, em política, a única mentalidade possível é algo próximo do "olho por olho, dente por dente".

Ainda a propósito de Zapatero, escusado será dizer que em meu entender Aznar tinha uma visão política muito mais acertada ao ter como objectivo a entrada da Espanha no G-8. Pena que o Presidente do Governo espanhol não siga o mesmo objectivo, cuja concretização seria aliás muitíssimo positiva para Portugal...


0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial