quarta-feira, agosto 31, 2005

Ao Manuel Alegre de La Mancha

Vivo preso nas malhas dos meus sonhos
Desfeitos,
A lembrá-los.
E, quanto mais esbracejo,
Mais me enredo na trança
Da ratoeira
É que todos eram a maneira
Airosa
De me salvar.
E nenhum consegui realizar,
Nem consigo esquecer.
Virados do avesso, são agora
Uma negra masmorra
De condenado.
Até onde não pude!
Até onde não sou!
A que alturas celestes quis subir!
A que lonjuras ir!
E não subi, nem fui, nem certamente vou.

Miguel Torga in Diário XVI